Concurso x Simulado: qual a hora certa de começar a fazer provas?

Tempo de leitura: 4 minutos

Vamos começar assistindo a este curto vídeo do Prof. Gerson Aragão:

Se você está iniciando (ou retomando) os estudos pra concurso, depois de seguir nossas dicas sobre escolha do cargo, da banca, como revisar etc (esses temas e muitos outros são postados aqui em nosso blog e no canal do Youtube), pode estar se questionando: qual a hora certa de começar a fazer provas?

Isso porque você pode até fazer simulados toda semana, resolvendo uma prova inteira do cargo que almeja ou até compilando questões pra montar esse simulado, mas a experiência de fazer a prova em si é insubstituível!

A expectativa de fazer uma prova começa quando sai o edital, faz-se a inscrição, escolhendo o local de lotação, se for o caso, paga-se o boleto (caro, muitas vezes), passando por aquelas semanas ou meses de véspera e revisão final e chegando no dia D: o que tomar de café da manhã e/ou almoçar; canetas e materiais pra prova consultada; lanches, trânsito; a “bendita” fila no portão de entrada; a checagem de documentos pelo fiscal da prova; o assento que você tomará pra fazer a prova; aquele candidato do lado que fala pelos cotovelos (ou se gabando ou mostrando preocupação; ou pior – tossindo, espirrando e fazendo muito barulho); o momento em que recebe o caderno de prova; o início da prova; o fiscal colhendo sua assinatura; aquela vontade doida de ir ao banheiro no meio da prova, cuja fila de espera está enorme; aquelas questões que dão um nó na cabeça; aquela questão que você acha que está certa, depois pensa ser errada e fica naquele “leva e trás” de qual escolher; os últimos minutos de prova, preenchendo o gabarito com a mão doída com o frio do ar condicionado; a entrega da prova; a saída do local, querendo (ou não) saber de seus amigos qual item marcaram naquela questão “cabeluda”.

Quem nunca fez prova de concurso, lendo o parágrafo anterior pode ter tomado um susto e ficar preocupado: “comé” que eu vou dar conta de tudo isso?

Caro colega, fazer provas de concurso no ambiente real de prova é muito importante, até porque você poderá desenvolver seus próprios hábitos e estratégias de resolução de prova etc, de forma que a maioria das ações acima será feita no “piloto automático” e você se focará no que realmente importa: a resolução da prova.

Fazendo a prova, notará qual o tempo médio que você leva pra marcar as questões ou redigir as respostas discursivas, aprenderá a não se deixar desconcentrar por pequenos barulhos ou movimentos ao seu redor, terá noção do seu nervosismo ou tranquilidade, de quantas idas ao banheiro necessita ou da fome (ou fastio) que dá quando está resolvendo a prova.

A despeito de tudo isso, duas informações importantes:

  • NÃO deixe de fazer provas simuladas ou pequenas baterias de questões, porque lhe permitirão aperfeiçoar a estratégia de resolução de questões, aprender macetes e mnemônicos, saber identificar “cascas de banana” e lidar com questões difíceis;
  • Apesar de indispensável a participação de um concurso pra poder se testar, o ideal é que você só comece a fazê-lo com pelo menos seis meses de estudo ou após ter estudado cerca de 60% a 70% do conteúdo previsto nos editais para o cargo que almeja. Isso não é uma regra fixa, mas é importante tê-la em conta, porque muitas pessoas podem ficar atordoadas e querer desistir de estudar após um ou alguns resultados ruins em suas primeiras provas. Tenha em mente que a maioria das pessoas passa em concursos após um período médio ou longo de tempo de estudos.

Em suma, prepare uma base de estudos, comece a fazer provas e não se deixe levar pelos insucessos no início. Aprenda que uma das principais características de um candidato vencedor é ser resiliente, que, em outras palavras, é aprender a cair e se levantar em seguida.

Se você tem algum ritual ou dica do que fazer (ou não) nos dias de provas, comente aqui embaixo!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *