Como escolher o cargo ideal para você

Tempo de leitura: 3 minutos

Quando alguém decide se dedicar aos estudos para concurso público, geralmente pode ficar na dúvida de qual cargo deve escolher. Muitas vezes, opta-se por um ou outro cargo por conta da remuneração, das matérias de predileção do candidato, do local de lotação etc.

Mas vejamos as preciosas dicas dadas pelo Prof. Gerson Aragão no seguinte vídeo:

Vamos explicar como pôr em prática essas medidas:

1) Análise das atribuições do edital

Geralmente nas primeiras ou últimas páginas do edital, informam-se não somente a quantidade de cargos e sua remuneração, mas também as atribuições de cada cargo, com a devida exigência de formação especializada ou não.

É por meio disso que você terá uma noção geral do que o cargo exigirá de você. Assim, se o cargo é pra médico cirurgião geral e você é clínico geral, provavelmente não poderá exercer o cargo por conta da exigência da especialização.

2) Conversar com quem exerce o cargo

As atribuições genéricas dispostas no edital, porém, não são suficientes para você saber a realidade de seu cargo.

Daí ser muito importante que converse com pessoas que exerçam o cargo que você almeja. Assim, saberá do volume de trabalho, dos benefícios conferidos aos integrantes do cargo, da possibilidade e do tempo de progressão na carreira etc.

É importante que você ouça mais de uma pessoa, pois pode haver nuances ou opiniões diferentes sobre um mesmo aspecto, às vezes até de ordem pessoal. Por exemplo, pode ser que, ao conversar com um técnico judiciário de tribunal, ele fale que o ambiente da vara em que trabalhe é ótimo, enquanto outro reclame desse aspecto.

3) Como você vê o seu futuro nesse cargo?

Muitas vezes, ao escolher o cargo, pensamos em suas consequências de curto e médio prazo, mas é necessário que você veja seu futuro nesse cargo. Não somente quando entrar em exercício, mas periodicamente.

Isso porque você passará a ter um novo padrão de vida e, se hoje a remuneração e demais benefícios podem ser incríveis, amanhã nem tanto. É claro que estaremos servindo ao povo quando exercermos nossos cargos públicos, mas é importante mensurar se aquele cargo lhe faz feliz – não só no aspecto financeiro, mas também como pessoa. Pode ser que a distância de sua família, algumas atribuições do cargo ou outros fatores acabem fazendo com que você reveja a sua permanência nele. Caberá, então, pensar em estudar para outro cargo ou – por que não? – voltar à iniciativa privada, inclusive como dono de seu próprio negócio.

Importante lembrar também que, de uma forma ou de outra, haverá uma reforma no sistema previdenciário brasileiro, atingindo tanto quem está na iniciativa privada, como também pública. Assim, pense se vai querer permanecer no mesmo cargo por 30, 40, 50 anos.

Frise-se que, muitas vezes um cargo que, a priori, você não se identificou, pode acabar se tornando uma paixão de sua vida. Nesse sentido, há vários exemplos de pessoas que fizeram concurso público para defensor público como “concurso escada”, mas que acabaram se apaixonando pela instituição e nela permaneceram.

Enfim, escolha um cargo de que tenha orgulho de exercer, que lhe traga estabilidade financeira e, se depois você mudar de ideia, prepare-se para mudar! Nossa vida não é, nem deve ser estática, uniforme. Mesmo que permaneça no cargo com que se identifica, busque se reinventar – fazendo reciclagens, pós-graduações, participando de comissões e sindicatos etc.

E lembre-se: a vida vai muito além do concurso público! Busque a felicidade e a realização pessoal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *