2 Tipos de Concurseiros e o Meu Maior Fracasso

Tempo de leitura: 2 minutos

>> Link Indicado no Vídeo <<

Você sabia que existem 2 tipos de concurseiros? Mas para que você entenda melhor sobre o que quero dizer sobre isso, vou te contar como foi um dos meus maiores fracassos em concursos.

Entre 2007 e 2008, eu estudava para o concurso de Analista do TRE. Foi uma época em que eu já entendia a importância de ser estratégico para concursos. Por isso, tinha analisado a banca (FCC), definido os pontos mais importantes de estudo, elaborado um ótimo calendário dos assuntos com revisões R12X. Ou seja, eu sabia exatamente o que devia estudar e por onde estudar.

No dia da prova, entrei confiante. Resolvi todas as questões e fiz a redação. Foram mais de 6 meses de estudos para essa prova e eu sabia que precisava de mais de 90% nas questões objetivas e acima de 80% na redação.

Se você já fez esse tipo de concurso, deve saber do que vou falar agora. A pontuação da prova objetiva você sabe logo quando sai o gabarito. Tinha acertado 92% da prova. Mas a nota da redação só se descobre com o resultado final.

A expectativa pelo resultado, então, foi enorme, pois agora só dependia desse resultado para comemorar minha aprovação em uma ótima colocação e ser provavelmente convocado.

No dia do resultado final minha nota da redação foi 5.0! A soma dessa nota com a pontuação da prova objetiva me deixou longe das primeiras colocações e, com isso, sem chances de ser convocado.

Esse para mim, foi um dos meus maiores fracassos. O que me fez pensar, pelas 2 semanas seguintes os motivos de minha reprovação.

Em um primeiro momento só me vinha os seguintes pensamentos: concurso para analista é muito difícil, a redação é uma loteria porque não tem espelho de prova, a concorrência é desleal etc.

Mas depois disso eu passei a analisar quais os critérios que foram valorizados nessa redação. O que fizerem os candidatos que obtiveram nota superior a 8? Nessa pesquisa descobri que, quem transcorreu o conteúdo da legislação tirou uma nota extremamente alta.

Isso foi a chave para uma aprovação posterior em 10º colocado para Analista do MP (FCC). A redação foi um fator decisivo e minha nota, desta vez, foi 8,5 apenas utilizando essa estratégia.

Foi justamente depois disso, inclusive conversando com vários aprovados, que percebi a existência de 2 tipos de concurseiros. O que coloca a culpa em ago externo, na concorrência por exemplo, assim como fiz logo quando foi reprovado, e aquele que assume a responsabilidade e encontra uma forma de entender o ocorreu para superar o próximo obstáculo.

Espero que meu fracasso possa servir de lição para que você encurte o seu caminho da aprovação. Por isso, se você tiver interesse em baixar minhas estratégias de concurso em um livro digital gratuito, basta clicar aqui.

Grande Abraço

Gerson Aragão

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *